Exposições Permanentes

Pintura - Sala Luís de Almeida Melo

Colecção de Pintura Moderna

Desde a sua fundação, o acervo de pintura moderna do Museu Municipal de Carregal do Sal conta com um valioso conjunto de obras de arte reunido nos finais de 1960 por Luís de Almeida Melo, então prestigiado conservador do Registo Civil neste concelho, cuja doação a esta instituição museológica viria, mais tarde, a concretizar-se através do Circulo de Cultura de Carregal do Sal, do qual fora seu principal iniciador.
 
De marcante qualidade plástica, a colecção integra produções artísticas de um consagrado elenco de pintores portugueses, a que José Augusto França designou de “Terceira Geração” do modernismo português, abrangendo pintores figurativos como João Hogan e José Júlio e pintores abstractos como Marcelino Vespeira e Artur Bual, entre outros, integrados nesta exposição.
 
Nesta plêiade de pintores portugueses não pode deixar de ser destacado o carinho e a sensibilidade da pintora Maria Helena Vieira da Silva que, estando na altura a viver em Paris envia, a pedido de Luís de Almeida Melo, duas serigrafias para a futura Galeria de Arte em Carregal do Sal. Concomitantemente a esta iniciativa cultural viriam, a aderir com ofertas suas, alguns dos pintores da, que mais tarde, se viria a denominar “Escola de Paris”, designadamente René Bértholo, Lurdes Castro e João Vieira, os quais mantinham contactos permanentes com aquela ilustre pintora.
 
Tratando-se de uma colecção constituída por vinte e um quadros de pintura, este acervo reúne, assim, uma consagrada geração de pintores de nomeada importância a nível nacional designadamente, Mário Carneiro, João Vieira, José Mouga, Maria Eugénia, Lurdes de Castro, Albertina Mântua, Carlos Botelho, Nuno de Siqueira, René Bértholo, João Ayres e Cipriano Dourado que, certamente, virão a proporcionar múltiplos motivos de interesse para o público que queira visitar o Museu.
 
Deste acontecimento histórico, com excepção de alguns dos artistas mencionados, estamos perante uma geração de pintores nascidos no primeiro quartel do Século XX, sendo que, a sua maioria, viria a atingir a fase plena da sua maturidade no contexto das tendências artísticas do Neo-Realismo, Surrealismo e Abstraccionismo, período que corresponderia ao conturbado proteccionismo artístico do Estado Novo e das políticas impostas por António Ferro e Salazar. Excluiu-se desta conjuntura o retrato de Waldemar da Costa que, Cândido Portinari, artista brasileiro de maior celebridade internacional, pintou em 1934 e que se encontra patente nesta exposição.

Data de Publicação: 12/12/2003